Belém

No sonho de qualquer visitante a digna distância entre monumentos tão importantes faz de Belém um bairro único e confortável de ser explorado. Embora não parem de surgir pessoas por todos os lados, nunca parece estar suficientemente cheio. As ruas são largas e a maioria dos espaços são generosos como em nenhuma outra região de Lisboa. Adicione a isso lugares fundamentais para se entender a cultura e história portuguesas. A única exceção pode ser a entrada dos Pastéis de Belém, pastelaria tradicional que confecciona sem dúvida nenhuma a melhor versão dos pastéis de nata, o carro-chefe dos doces portugueses. Mesmo assim, a fila é para quem quer levar para casa e anda rápido. Nem todos sabem, mas no interior da casa histórica, repleta de azulejos, tem 400 lugares sentados dispostos no entorno de um charmoso jardim de inverno. São cinco minutos para carregar as energias e tomar fôlego para conhecer tantas coisas interessantes de uma só vez.

Logo ao lado está o Mosteiro dos Jerônimos, obra-prima do estilo gótico, conhecido como Manuelino, por ter sido construído no auge do Rei Manuel I, que de 1495 a 1521 fez acontecer o período de maior orgulho deste pequeno país, o dos descobrimentos. A Torre de Belém cerca de 1500 metros a frente também pertence à mesma época e arquitetura. De lá os soldados faziam a vigília marítima da região. Mais a frente está o Padrão dos Descobrimentos, construído dos anos 1940 a 1960, durante a ditadura, em homenagem aos grandes navegadores. Lá de cima é possível avistar a rosa dos ventos, talhada no chão abaixo, um presente do governo da África do Sul.

Outro spot imperdível é o centro cultural de Belém. De 1988, o prédio é um respiro moderno no meio de tanta história centenária. A visita ao Museu Berardo pode surpreender com obras de Andy Warhol, Picasso, Salvador Dalí e Calder. Dentro e à frente está o ótimo Leste Oeste, café com esplanada de frente para o Tejo no Jardim das Oliveiras.

A frente turística para o Tejo esconde ainda uma vasta área residencial, com edifícios de apartamentos novos e confortáveis, com clubes, parques voltados para as crianças e restaurantes como a Real Nunes Marisqueria, um dos lugares mais concorridos para comer lagostas na cidade. O Darwin’s Café, na Fundação Champalimaud, também está entre os hits do bairro.

  • Centro de Lisboa - 10 minutos de carro
  • Cascais -  20 minutos de carro
  • Aeroporto -  15 minutos de carro
 

- Added to shortlist

- Removed from the shortlist

Undo